Blog   Facebook   Convenios   Links Uteis   Localizacao   Contato   Inicio  
           
 
               
           

O que é:

A Doença Arterial Obstrutiva Periférica (DAOP) é caracterizada pelo depósito de gordura, cálcio e outros elementos na parede das artérias, reduzindo seu calibre e trazendo um déficit sangüíneo aos tecidos irrigados por elas. Seu desenvolvimento é lento e progressivo e é necessário haver uma obstrução arterial significativa, de pelo menos 70% do calibre de uma artéria, para que surjam os primeiros sintomas.

As paredes das artérias normalmente são lisas e elásticas. Com o passar dos anos (envelhecimento), elas sofrem um processo de endurecimento e reação inflamatória crônica (arterosclerose). A placa que se forma na aterosclerose é composta de substâncias como colesterol, cálcio e tecido fibroso, que vão se acumulando nas paredes das artérias. Quanto mais placa se acumula nas artérias, mais endurecidos ficam os vasos e mais prejudicado fica o fluxo sanguíneo.

 

Idade: Predominante na faixa de 50 a 70 anos

Sexo: Predominante no sexo masculino, mas após a menopausa, os riscos tornam-se semelhantes entre os sexos.

Hiperlipidemia: Indivíduos que têm altos níveis de gorduras circulantes no sangue, sendo o colesterol a principal delas, depositam este excesso nas artérias obstruindo-as progressivamente.

Tabagismo: Fumantes têm um risco nove vezes maior de desenvolver a DAOP que a população não fumante. A decisão de parar de fumar modifica favoravelmente a evolução dos pacientes sintomáticos. 

Hipertensão:
A hipertensão arterial provoca alterações na superfície interna das artérias, facilitando a penetração das gorduras na parede arterial.

Sedentarismo: A atividade física reduz os níveis de colesterol e favorece a circulação.

História familiar: Assim como a idade e o sexo, não podemos mudar nossa herança genética, e este é um fator também importante, não devendo ser negligenciado.

ulceras
 
   
Quais são os sintomas:

O quadro clínico apresentado pelo paciente vai depender de qual artéria está mais significativamente obstruída:

- Caso sejam as artérias ilíacas e femorais (artérias das pernas), os principais sintomas são: Claudicação intermitente (dor nas pernas ao caminhar), queda de pêlos, atrofias musculares e até mesmo impotência sexual nos homens.
 
         
Como tratar:

O melhor tratamento para a aterosclerose é a prevenção. Apesar da DAOP não apresentar cura, 75 a 80% dos pacientes melhoram ou estabilizam apenas com caminhadas e combatendo os fatores de risco. Além da atividade física, existem medicamentos como vasodilatadores periféricos, anti-agregantes plaquetários e as estatinas que também podem completar o tratamento da DAOP.
 
Além do tratamento clínico, a DAOP pode ser tratada através da terapia cirúrgica e endovascular. A terapia cirúrgica é feita através de uma revascularização do membro onde podemos usar a própria veia do paciente (ex: veia safena) ou uma prótese sintética como substituto arterial do vaso obstruído. Já a terapia endovascular é um procedimento minimamente invasivo e realizada por dentro do vaso, através de uma angioplastia ou associada a colocação de um Stent.
 
       
 

Angioplastia

A angioplastia é um procedimento terapêutico minimamente invasivo. Um pequeno balão, integrado a um cateter, é guiado até a artéria comprometida e inflado contra a parede arterial, desobstruindo o vaso. Em alguns casos, um pequeno tubo de metal (stent) é posicionado na artéria para mantê-la aberta e, assim, garantir um melhor fluxo no vaso tratado. O procedimento normalmente é realizado sob anestesia local e geralmente com uma punção na virilha.

 
Complicações

Complicações graves associadas à angioplastia são raras, mas podem ocorrer, como por exemplo, reações ao agente de contraste, formação de coágulo na artéria tratada, rompimento de um vaso sanguíneo, formação de hematoma nos locais de punção e problemas renais.

Complicações menos graves incluem enfraquecimento da parede da artéria e sangramento ou ferimento no local da punção. Pacientes com diabetes ou problemas renais têm mais risco de desenvolver reação ao agente de contraste.
 
 
 

Orientações Pós-operatórias

Normalmente, o paciente precisa ficar hospitalizado por 24 horas após a realização da angioplastia, a fim de monitorar a ocorrência de complicações.

A região da punção deve ficar imobilizada por algumas horas para evitar sangramentos.

Além disso, quaisquer sintomas, como dores, febre, falta de ar, coloração azulada ou sensação de frio em um braço ou perna, ou reações na área da punção, devem ser informados ao médico imediatamente.

         
 

As indicações mais comuns são para pacientes com estreitamento moderado ou grave em um ou mais vasos sanguíneos, normalmente com sintomas de doença arterial, como dor nas pernas  para caminhar, dor para dormir e necrose de dedos do pé.

 
Descrição do procedimento

Um cateter é inserido através de uma punção na virilha ou no cotovelo. Através desta punção, um fio-guia é inserido na artéria e guiado até a área a ser tratada.

O movimento do fio-guia não é percebido pelo paciente, uma vez que as artérias não contêm terminações nervosas. Com o fio-guia posicionado na lesão, o cateter de angioplastia com um balão desinflado na ponta é inserido e levado até a área comprometida.

Neste local, o balão é inflado e desinflado totalmente por alguns minutos com o objetivo de romper a placa de aterosclerose, pressionando-a contra as paredes da artéria e, assim, desobstruir a passagem de sangue.As áreas tratadas por angioplastia podem voltar a apresentar obstruções, seja logo após o procedimento, seja após vários meses ou anos. A recorrência de estreitamento na artéria tratada é chamada de reestenose, e a de obstrução completa é chamada de reoclusão.
   
Em alguns casos, pode-se utilizar um stent para manter a artéria aberta. Existem vários tipos de stents e balões para angioplastia, que podem ser utilizados em diversas situações diferentes. O cirurgião vascular e endovascular é o profissional que trata as doenças da circulação periférica e conhece suas peculiaridades. A escolha correta do tipo de material (cateteres, balões, stent, etc.) é fundamental para o sucesso do tratamento.

A angioplastia e a colocação de um stent pode levar de 45 minutos até 3 horas ou mais, dependendo das características de cada caso.

Orientações pós angioplastia:

  • Parar de Fumar

  • Controlar a Pressão Arterial e Diabetes.

  • Não levantar peso nos primeiros dias de pós-operatório.

  • Tomar bastante líquido para ajudar na diluição do contraste utilizado durante o procedimento.

  • Dieta com pouco sal e sem gorduras ou frituras.

  • Tomar medicações anti-agregantes receitadas na alta hospitalar.

  • Caminhar pelo menos 30 minutos ao dia para melhora da circulação.
 
  Blog   Blog   Blog   Blog   Blog   Blog   Blog